top of page

Thrifting, zero waste, and sustainability can be detrimental (and what you can do instead)

Transcription

Full transcript below divided in sections.

PT-BR

Video translation in portuguese.

Intro

Bonjour à tous! My name is Alice and welcome back to my channel. So, today we’re going to talk about sustainability. Is it really worth it? Should you shame people using plastic bottles? Well, these are the questions we’re going to tackle today… and other things as well.

Sustainability on social media started as a niche. Lifestyle promoting minimalism, low conception, living a simple life filled with experiences instead of goods. A mode of conception that is respectful of the environment. But what’s been happening in the past few years is that businesses have made sustainability more accessible.

Sustainability

And when I say accessible, I mean that now sustainability is a commercial argument. It is a… something you can consume. Living sustainably is cool now, many influencers regularly get sponsored to promote sustainable products. That are videos entirely dedicated to living sustainably and some people actually choose to lounge their own sustainable merch or products.

Another sustainable niche that is growing on YouTube is thrift fashion or second-hand fashion, depending on whether you’re in the US or the UK. Influencers will replace fast fashion halls with thrift halls. They will teach you how to thrift flip, to transform thrift clothing into very cool pieces. Along with that, many companies started reselling selected pieces of second-hand clothing at higher prices for people who don’t have time to spend hours digging into cages of thrift clothes and are willing to pay the extra price. Platforms like DePop or Vinted, that used to be about just reselling stuff casually between one person and another, are now becoming platforms where boss babes just make a living by just buying stuff in bulk and reselling them at higher prices.

Thrift shops were originally made for people who cannot afford buying stuff in regular shops but now they have been completely gentrified. I’ve personally never bought anything that was labeled as sustainable, because I think I can resolve this issue by just reevaluating what I really need, or because I can find alternative to “sustainable products”, I can make or just use the same way. On the other hand, I do participate in the gentrification of thrift shop, and… yeah, I fly by two to four times a year and I also have time to research alternatives or produce my own products. I am conscious that I could do more, have a more sustainable lifestyle but at the same time I realize that what I do now is more about me and feeling good about myself than really making a difference. In the end, if you really want to make an impact and reverse climate change… (as like if that was possible)

Hypocrisy

…should we really spend our time creating new sustainable products or opening thrift shops, you know? About a year ago, Alice Aedy posted something on Instagram which I found very interesting, I’m gonna read it for you. “Hyprocrisy. It’s impossible to exist within the current system and not be implicated in it. I’ve travelled extensively for both work and pleasure thinking little of my carbon footprint. When it comes to the environment, I’m a bigger hypocrite than anyone, and that’s an uncomfortable reality to come to terms with… Over the years, predictable tactics of shaming, calling out hypocrisy and double standards has silenced those who have aligned themselves to the movement. The fear of criticism has paralysed the environmental movement, making celebrities, models and actors reluctant to speak out on the issue.” See, we don’t have to be perfect sustainable human beings to ask a government to do something.

So, it’s true that the more your lifestyle suits your discourse the more legitimate you appear to talk about it and fight for it. But there is a tendency to always put the blame on us, consumers, to make the right choices. To ride a bike to work, to take shorter showers, to consume organic bla bla bla… But there are limits to that! Blaming consumers for climate change really is a shame and even more than that, it can actually be detrimental.

Do you remember earlier this year when industrial countries all went to lockdown and people in India started to see the Himalayas again and animals came out in cities?… That was one of the few happy events of the coronavirus. (cute) Well, this was an example of drastic individual behavior change combine with a complete shutdown of economies. And still… The United Nations report stated that in order to reach the 1.5-degree temperature goal set by the Paris Agreement in 2016, Global Greenhouse gas emissions must fall by 7.6 percent each year. It still according to the United Nations “CO2 emissions in 2020 will fall by an estimated 4% to 7%... due to COVID-19 confinement policies”. So we’re not even there yet!

What’s even more frustrating is that policy makers and corporations still incite people to work on themselves and change their behavior. All promote what researchers call green “nudges”. So an example of green “nudges” is the case of the company Opower. What Opower does – and it’s quite clever actually – is that it provides clients with the utility bills of the neighbors to compare, create competition, and ultimately decrease their electricity consumption.

Yet the study also underlined that “Influencing one aspect of behaviour may give people moral license to offset their behaviour elsewhere. For example, residents who were nudges to decrease their water consumption increased their use of electricity. Merely reminding people of their own past actions to reduce energy consumption has been found to decrease support for the government action on climate change. Other research has found that giving people a sense of making even minor progress toward tackling problems can diminish their motivation to do more.”

But pretty much all do that in a way, like, we’ll go: “oh, yeah, I still use plastic, but I only use public transportation”, “oh, yeah, I fly sometimes but, you know, I always buy second hand”. I am very much guilty of that. Please do not expect us to be perfect citizen! But does that mean that we just have to sit there and wait for the apocalypse to come?... No!

The Green New Deal

Even if you, as citizen, can often make a difference by just getting rid of plastic bottles, reducing your conception of electricity or buying sustainable, well, there are people up there and they decide where they put the money from your taxes, they decide where to invest, and they are accountable to you.

Last year, a group of American activists recruited a congresswoman, Alexandra Ocasio-Cortez, and a senator, Ed Markey, to propose a plan. The Green New Deal. The deal has two main ideas, the first one is that we need to completely stop burning fossil fuels as much as visible, that means completely changing the way all economy works, changing vehicles, changing the way we build, the way we consume energy. It is drastic, but it’s necessary. Now, the sad reality is that a lot of people are going to lose their jobs. It is inevitable and that’s where the second idea comes in to play.

We need to protect people with job guarantees, a universal healthcare, education and training. What’s happening now is that corporations and investors are the one who are the most influential in defining economy. They have a growing diet mentality; money is their religion… it’s just… a… ah… I’m not gonna say the C word ‘cause I don’t want to get demonetized. (Not that I monetize.)

“this disastrous plan”, “would be a massive government takeover”, “that would stifle innovation”, “wasteful and reckless spending”, “rather than setting unrealistic goals”, “we would go from about 94 million cows to 0 cows”, “that resolution will not pass the senate… cause there’s no way to pay for it”, “destructive, socialist daydream”.

Okay, that’s pretty depressing! Hope you didn’t turn into a full-on nihilist yet ‘cause I have some good news for you. Those republicans you saw, you shouldn’t see them as intimidating. They are the ones who are scared. Unless you lived in a cave in 2019 (something 2020 made a bit more sociably acceptable), you cannot have missed the climate strikes. And no one can deny that they really changed something.

An organization like Extinction Rebellion – very white and middle class, yes... Extinction Rebellion is using a very specific type of activism that is reminiscent from the civil right movements in the US with Martin Luther King. Basically, it’s called active non-violent, so it’s civil obedient, indirect action and mastermind cooperation. As well as many forms of low-field campaigning. On the Extinction Rebellion website, you can find how to create your own local movement, how to join a preexisting movement. And, honestly, if you are a bit afraid of going into protest because of police brutality and stuff like that, I feel like Extinction Rebellion is that sort of pacifist movement where it’s fine, it’s not too dangerous. But it’s just, it’s a shame that we even have to talk about the fact that a protest can be dangerous. But, anyway…

[A little parenthesis here, but here’s Progressive International, a more inclusive international and intersectional movement, that promotes protest campaigns all around the world, but most specifically in the US. I highly recommend that you check them out, after you’ve done watching this video, obviously.]

And the result is that half of Britain’s population said that climate change would affect the way that they would vote in a future election, and this numbers goes up to 74% for under 25 years old. Those politicians, they want your votes.

If you are concerned with climate change and if you want to get involved into one of those organizations – which I highly recommend – I bet they are going to listen to you and actually that’s what they’re doing already. Boris Johnson recently announced that he would make a homemade Green New Deal. (hmm)

You know, we are at this very moment where all economies are being completely destroyed by the coronavirus, facing a huge financial and employment crisis, and while some people will say “no no no we need to save save save”, well, I do not agree. This is the right time to invest massively into the economy and I insist on that because the propositions made at the moment are… not enough. I mean, Boris Johnson is calling his new plan a Green Industrial Revolution. Wait. Wait. Wait. Wait. Wait. Did he just ask for a revolution?

Thank you very much for listening to this video. I hope you enjoyed it. Feel free to like, comment, subscribe. You can also share this video with a friend that you think might like it… amm, yeah, I’ll see you next week!

Introdução

Bonjour à tous! Meu nome é Alice e bem-vindo de volta ao meu canal. Então, hoje nós vamos falar sobre sustentabilidade. Isso vale mesmo a pena? Você deveria expor alguém por usar garrafas de plástico? Bem, essas são as perguntas que nós vamos enfrentar hoje… e outras coisas também.

A sustentabilidade nas redes sociais começou como um nicho. Como um estilo de vida que promove minimalismo, baixo consumo, viver uma vida simples e cheia de experiências ao invés de produtos. Um modo de conceber o mundo que respeite o meio ambiente. Mas o que têm acontecido nos últimos anos é que as empresas tornaram a sustentabilidade mais acessível.

Sustentabilidade

E quando digo acessível, quero dizer que agora a sustentabilidade é um argumento comercial. É... um... algo que você possa consumir. Viver de modo sustentável é legal agora, muitos influenciadores regularmente recebem patrocínio para promover produtos sustentáveis. Há vídeos inteiramente dedicados à viver sustentavelmente, e algumas pessoas até escolhem lançar a sua própria marca ou produto sustentável.

Outro nicho da sustentabilidade que está crescendo no Youtube é o thrift-shop (garimpo) ou second-hand fashion (roupas de segunda mão), dependendo de onde se está: Estados Unidos ou Reino Unido. Influenciadores trocarão as lojas de varejo (fast-fashion) por brechós. Eles vão te ensinar a repaginar a roupa, a transformar os garimpos em peças bem legais. Junto a isso, muitas empresas começaram a revender peças selecionadas de segunda mão a preços mais altos, para pessoas que não tem tempo para gastar horas procurando nas araras de brechós e estão dispostas a pagar o preço extra. Plataformas como DePop e Vinted, que costumavam funcionar apenas como a venda casual entre uma pessoa e outra, estão se tornando plataformas onde boss babes (empreendedoras) ganham a vida apenas comprando coisas de balde e revendendo-as a preços mais altos.

Os brechós foram originalmente feitos para pessoas que não podiam pagar por coisas em lojas comuns, mas agora se tornaram completamente gentrificados. Eu, pessoalmente, nunca comprei nada rotulado como sustentável, porque penso que posso resolver esse problema apenas reavaliando o que eu realmente preciso, ou porque posso encontrar alternativas para os “produtos sustentáveis”, posso fazer ou apenas usar da mesma forma. Por outro lado, eu participo do processo de gentrificação de brechós, e... é, eu viajo de avião umas 2 a 4 vezes por ano e também tenho tempo para procurar alternativas e produzir meus próprios produtos. Tenho consciência de que eu poderia fazer mais, ter um modo de vida mais sustentável, mas ao mesmo tempo eu percebo que o que eu faço agora é mais sobre mim e me sentir bem comigo, do que realmente fazer a diferença. No final, se você realmente quer causar um impacto e reverter as alterações climáticas,... (como se fosse possível)

Hipocrisia

… nós verdadeiramente deveríamos gastar nosso tempo criando novos produtos sustentáveis ou abrindo brechós, sabe? Há cerca de um ano, Alice Aedy postou uma coisa no Instagram que eu achei muito interessante, vou ler pra vocês: “Hiprocrisia. É impossível existir dentro do sistema atual e não estar implicado nele. Tenho viajado extensivamente tanto a trabalho quanto a lazer pensando pouco em minha pegada de carbono. Quando se trata do meio ambiente, sou mais hipócrita do que qualquer um, e essa é uma realidade desconfortável de se aceitar... Ao longo dos anos, táticas previsíveis de expor alguém, apontando a hipocrisia e critérios duplos, silenciaram aqueles que se alinhavam ao movimento. O medo das críticas paralisou o movimento ambiental, fazendo com que celebridades, modelos e atores relutassem em falar sobre o assunto”. Veja, nós não devemos ser seres perfeitamente sustentáveis para pedir ao governo fazer alguma coisa.

Então, é verdade que quanto mais seu discurso se alinha ao seu modo de vida, mais legítimo você parece para falar sobre algo e lutar por isso. Mas há sempre uma tendência a colocar a culpa em nós, consumidores, para fazermos as escolhas certas. Ir de bicicleta pro trabalho, tomar banhos mais curtos, consumir produtos orgânicos, bla, bla, bla... Mas tem limite! Culpar consumidores pela alteração climática é uma vergonha e, mais que isso, pode ser prejudicial.

Você se lembra, no começo do ano, quando países industriais instauraram o lockdown e as pessoas da Índia começaram a enxergar os Himalaias novamente e os animais começaram a invadir as cidades?... Esse foi um dos pouquíssimos momentos bons na época do Coronavírus. (fofo) Bem, esse foi um exemplo de mudança drástica de comportamento individual combinado com o fechamento completo de economias. E, ainda assim... a Organização das Nações Unidas afirmou que para atingir a meta de redução da temperatura global de 1,5 °C, feita no Acordo de Paris de 2016, as emissões globais de gases do efeito estufa devem cair 7,6% a cada ano. Ainda de acordo com as Nações Unidas, “as emissões de CO2, em 2020, devem cair cerca de 4 a 7%... por causa das políticas de confinamento do Covid-19”. Então, a gente não tá nem perto ainda!

O que é ainda mais frustrante é que quem faz as políticas e as corporações ainda incitam as pessoas a mudarem por conta própria o seu comportamento. Tudo isso promove o que os pesquisadores chamam de “green ‘nudges’” (“empurrãozinho verde”). Um exemplo de “green ‘nudges’” é o caso da companhia Opower. O que a Opwer faz – e é bem inteligente, na verdade é fornecer aos clientes as contas dos seus vizinhos para comparar, criar competição e, por fim, diminuir seu consumo de eletricidade.

No entanto, o estudo também ressalta que “Influenciar um aspecto do comportamento pode dar licença moral para as pessoas compensarem seus comportamentos em outro lugar. Por exemplo, residentes que foram incentivados a diminuir seu consumo de água aumentaram seu consumo de eletricidade. Verificou-se que apenas lembrar às pessoas das suas próprias ações de diminuição do consumo de energia reduz o apoio a ações governamentais de mudanças climáticas. Outra pesquisa descobriu que dar às pessoas a sensação de progresso, por menor que seja, na resolução de problemas pode diminuir sua motivação para fazer mais.

Mas praticamente todos fazem isso de uma forma ou de outra, tipo: “ah, sim, eu continuo usando plástico, mas só uso transporte público”, “ah, sim, eu voo às vezes, mas, sabe, eu sempre compro roupa usada”. Eu sou bem culpada disso. Por favor, não espere que sejamos cidadãos perfeitos! Mas isso significa que nós devemos apenas sentar e esperar pelo apocalipse?... Não!

O “New Deal” Verde

Mesmo que você, como cidadão, muitas vezes possa fazer a diferença apenas se livrando de garrafas de plástico, reduzindo o consumo de energia ou comprando sustentavelmente, bem, tem pessoas lá em cima que decidem onde colocar o dinheiro de seus impostos, eles decidem onde investir e são responsáveis por você!

Ano passado, um grupo de ativistas americanos recrutou uma congressista, Alexandra Ocasio-Cortez, e um senador, Ed Markey, para propor um plano. O “Green Deal” (“Novo Acordo”) Verde. O acordo tem duas ideias principais, a primeira é que precisamos parar completamente a queima de combustíveis fosseis tanto quanto for possível, isso significa mudar completamente o modo como todas as economias funcionam, mudar veículos, o jeito que construímos, a maneira como consumimos energia. É drástico, mas necessário. Agora, a triste realidade é que muitas pessoas perderão seus empregos. É inevitável, e é aí que entra a segunda ideia.

Nós precisamos proteger as pessoas com garantias trabalhistas, saúde universal, educação e treinamento. O que está acontecendo é que corporações e investidores são os únicos com maior poder de influência para definir a economia. Eles tem a mentalidade de poupar, dinheiro é a religião... isso é tão... um... ah... não vou dizer a palavra com “C” porque eu não quero ser desmonetizada. (Não que eu seja monetizada.)

“este plano desastroso”, “seria uma aquisição massiva do governo”, “isso sufocaria a inovação”, “gasto desnecessário e imprudente”, “em vez de estabelecer metas irrealistas”, “passaríamos de 94 milhões de vacas para 0 vacas”, “essa resolução não passará no senado... porque não há como pagar por isso”, “devaneio destrutivo, socialista”.

Ok, isso é bem deprimente! Espero que você ainda não tenha se tornado um niilista completo porque tenho boas notícias. Esses republicanos que você viu, você não deveria se deixar intimidar. Eles é que estão assustados. A não ser que você tenha vivido em uma caverna em 2019 (algo que 2020 tornou um pouco mais socialmente aceitável), você não pode ter perdido os protestos climáticos. E ninguém pode negar que eles realmente mudaram algo.

Uma organização como Extinction Rebellion – bem classe média branca, sim... Extinction Rebellion está usando um tipo de ativismo bem específico, que lembra os movimentos de direitos civis dos Estados Unidos com Martin Luther King. Basicamente é chamado de ativismo não-violento, então prega a obediência civil, ação indireta e cooperação ideal. Assim como muitas formas de campanhas locais. No site da Extinction Rebellion, você pode encontrar formar de criar seu próprio movimento local, ou se juntar a um preexistente. E, honestamente, se você tem um pouco de medo de ir à protestos por causa da violência policial e coisas assim, sinto que a Extinction Rebellion é o tipo de movimento pacifista que é tranquilo, não muito perigoso. Mas é só, é uma pena que nós tenhamos que falar sobre o fato de que um protesto possa ser perigoso. Mas, enfim...

[Um breve parênteses aqui, mas aqui está o Progressive International, um movimento internacional e interseccional mais inclusivo, que promove protestos ao redor do mundo, mas mais especificamente nos Estados Unidos. Eu recomendo fortemente que você confira, depois de assistir este vídeo, claro.]

E como resultado, metade da população da Grã Bretanha disse que a mudança climática afetaria a maneira em como votariam em uma futura eleição, e esse número sobe para 74% para menores de 25 anos. Esses políticos, eles querem seus votos!

Se você está preocupado com a alteração climática e quer participar em uma dessas organizações – que eu recomendo muito – eu aposto que eles te ouvirão e, na verdade, é o que eles já estão fazendo. O Boris Johnson anunciou recentemente que faria um “New Deal” Verde caseiro. (hmm)

Sabe, nós estamos neste momento em que todas as economias estão sendo completamente destruídas pelo coronavírus, enfrentando uma enorme crise financeira e de emprego, e enquanto algumas pessoas dirão “não, não, não, nós precisamos poupar, poupar, poupar”, bem, eu não concordo. Este é o momento certo para investir massivamente na economia e eu insisto nisso porque as propostas feitas até agora não são suficientes! Quer dizer, Boris Johnson está chamando seu novo plano de Revolução Industrial Verde. Espera. Espera. Espera. Espera. Espera… Ele acabou de pedir por uma revolução?

 

Muito obrigada por ouvir o vídeo. Espero que tenha gostado. Fique à vontade para curtir, comentar, se inscrever. Você também pode compartilhar o vídeo com um amigo que você acha que possa gostar... ahm, é, te vejo na semana que vem!

bottom of page