top of page

im not like other girls in the Queens Gambit

Transcrição

Transcrição completa separada por seções. | Full transcript divided in sections.

PT-BR

Tradução do vídeo em português. | Video translation in portuguese.

Intro

So, I was looking for a content to do a video on the aesthetic of Dark Academia and Pop Culture and I found The Queen’s Gambit… Now – I’m not gonna lie, the synopsis sounds a bit boring and I solely watched it because of Anya Taylor-Joy – I will recommend you to watch as well if you haven’t done it already. Now this video won’t be on Dark Academia, as you can tell by the title. The “I’m not like the other girls” video commentary was very popular on YouTube about a year ago so I though I’m interested to use this “frame of analysis” in the case of The Queen’s Gambit.

Context

So, just for context, the TV series is inspired by the book written by Walter Tevis and published in 1983. The story is set in the late 1950s, I guess, and to the end of the 1960s.

Elizabeth Harmon is the main character, she is an orphan, she is quite unremarkable until she plays her first chess game. From this point onwards the series evolves into a coming-of-age story where the viewer follows Beth in her worst moment – her drug and alcohol addiction – but also in her best moments – riding through the Grand Master ranks to finally become the World Chess Champion.

So I quite like indulgent in this type of antihero/coming-of-age stories because I feel like they can be quite inspiring, especially when you identify with the main character. But those stories tend to have a similar implied message to which I do not really agree, and that’s what I want to talk about in this video.

So, first, I want to give Beth some credit ‘cause the lady is bold. Aware of her precarious condition, she wants to grow financially to become independent. The idea of investing money and time to get something better in return is very present in the first part of the series until she finally reaches the financial stability. As soon as she starts earning money, she asks her adoptive mom to open a bank account, she buys books instead of clothes, she steals the chess magazine at her local mini market, and later on she decides to take Russian classes. She… she’s so cool. So she is very proactive, she wants to live the best life she can and want to become the best chess player, and ultimately becomes the best(Beth).

High School

And that difference is, from the very beginning at the orphanage, put into the perspective of her vs. the other girls. As an example, when she’s given a doll, she refuses it and asks for another game. Later, when she’s adopted, lives the orphanage for good and goes to the high school for the first time, she’s almost immediately called a fucking brain by “the other girls”, who act and dress up exactly the same. She’s not perceived as a teenage girl, her crush, Townes, kindly call her a “kid” and I think it tells a lot about what defines someone as being a girl.

As soon as she starts earning money, and because her adoptive father left the house for good, she offers to support Mrs. Wheatley by giving her 50% of what she makes. At that moment she realizes that most women in the series are either presented as dependent, not very smart, or not very likable. Just think of the first interview she had with the woman journalist, and her clear lack of empathy towards Beth. She has always found it easier to connect with man because she identifies as a chess player and chess is a sport that is dominated by man. Just a little parenthesis here but today chess is still dominated by man and statistically men perform better than women, but… how so?

Well, as it was the case in The Queen’s Gambit, female chess players are usually younger than men. We don’t know if Beth continues to play chess forever, but it appears that most of women, still today, tend to give up on chess as they become adults. A study on junior chess player was conducted in Norway and it showed that girls generally had better ratings than boys. The reason why they give up on chess could be explained by the cultural gender bias that exists in pretty much any sports or game but it could also be explained by the fact that, at some point in their lives, women aren’t expected to compete anymore, but rather to take care of others.

Party

Now, see the contrast between Beth and the other girls when she finally gets invited to a party organized by Margaret, the popular girl, and along with the other girls. All they do is just listening to boys’ bands and talking about dating and boys and… oh, gosh, this is so cliché. I was literally watching this being like “I need to do a video on this”. And so, of course, Beth doesn’t really feels comfortable and end up leaving the party because “she’s not like the other girls” (laughs). In the end the two female friends she made are Jolene, the back girl yet to become a lawyer, another smart non-conformist girl – I don’t know if she becomes a Black Panther, by the way, but she definitely dresses like one so she is also a radical – and Cleo, the French girl – obviously I am laughing because I’m French and Cleo is such a cliché of what the French woman is, but I’ll probably make a video (stay tuned/fique ligado) on that later. And even their involvement in Beth’s life is a bit controversial, Jolene introduces Beth to the pills to which she became addicted but without which she might not have progressed that fast. For Cleo its clearer, she definitely has a bot to play in Beth’s defeat against Borgov in Paris. So, in general, woman in this series drag Beth down while men help her throughout her life and career.

Now I want to move to what for me is the biggest moment in the TV series and that’s Beth’s transition from the quirky little kid to the empowered woman.

Glow up

Yes, yes, I can hear it too, “The Glow Up”.

Once again there are positive and negative aspects to the post global phase. A little parenthesis by [incomprehensive] which I love Anya Taylor-Joy, and at this moment in particular, externally, nothing has changed, the environment is the same, but just like her attitude and the way she, she discovers her body and owns it, it’s just, just wonderful! Anya Taylor-Joy just plays it so, so well! So these two clips when the viewer follows her from a lower angle as she walks up the stairs, when she removes her clothes and walks in her bathing suit to the swimming pool, there is a different energy, a confidence in her walk, something almost sexual, actually, and by extension when you pay attention to her style, from now on she wears pants or short skirts and her hair remains short. She plays with norms and really embodied the non-conformist, feminist way of being. She’s in control of her sexuality and toward the end of the series she plays more and more with make-up and fashion. Progressively she comes to represent the idea that a woman can be both smart and feminine.

I think the moment of truth is when she comes across Margaret. Margaret is now married with a baby and she’s talking about boys, again. Beth is confronted with what the woman of her time is supposed to look like, and there’s still something of that soul in her. In episode 5 she naturally offers to fix the food and join Cleo in the kitchen, and in episode 6 she is almost becoming a housewife, she own a house, redecorates the entire thing, takes care of the garden. So, is The Queen’s gambit a feminist serious series? (No.) There was a stark opposition between Beth and the other female characters, presented as a homogeneous group. While Beth’s characterization was very complex, the other women in the series were quite shallow and similar. Except Jolene, of course. This conveying/convenient idea that Beth is the exception, her exceptionalism is rooting the fact that she’s always been different from other girls, something that interested man who wanted to help her and eventually mentored her. From her beginnings with Mr. Shaibel to the ultimate game against Borgov where Beltik, Benny and the twins all together crafted her victory. The urgency of man in the series is huge and I guess it reflects the fact that the novel was written by a man and that the series was directed by two rather old man, Allan Scott and Scott Frank.

So I can’t… there is definitely a feminist reading of the series, but I don’t think it is the most relevant. Queen’s Gambit wasn’t meant to be political, and Elizabeth is quite apolitical. I know some will argue that the character of Elizabeth itself was feminist, but I do not really agree with that. For me her story and her character were used to defend something completely different which is the concept of free will and urgency. Elizabeth was the dream of many women of the 60s, just to be seen, to be respected and to be thought as smart by men. But even though she was an orphan, Beth was gifted, she had a talent that made her unique. So just to be clear, I don’t want to undermine all the work and efforts Beth put in to get where she was, but she had to earn men’s respect, and once she did everything became easier. And I don’t like the fact that when you’re a woman, when you’re a part of a minority, ethnic minority, or a sexual minority you have to prove yourself in order to earn respect from others. And the ones who are ungifted or privileged... well it’s kind of their fault if they can’t succeed, you know. Yeah, the anecdote is the problem and the success story cannot be made universal.

The Queen’s Gambit is an example of the “I’m not like the other girls” trope that you can see pretty much everywhere, all over the media in films, books, TV series, memes. It portrays girls and women in a very, very stereotypical way. They are usually young, straight, white women who like make-up, fashion, dating, they love talking about boys, they spend hours to get ready, and… what else… oh, yeah, they can’t control their emotions, they can be real drama queens! And so, obviously, every girl aspires to be different from those “other girls”. There are 1 million ways to being a woman, and just obeying to those stereotypical characteristics doesn’t make you one. The concept of the “other girls” tend to put women into a competition instead of just embracing the diversity of what a woman can be.

Whoa there was a lot to unpack. I hope you liked the series as much as I did. There were many different ways to approach it and I wanted to keep the video short and focused. But feel free to add any comments in the comment section, just advice, tips, new ideas, disagreements as well. Thank you very much for watching! I would be extremely grateful if you could subscribe to the channel, like the video or just share it with a friend that might be interested, or even, I don’t know, your parents, cats, plants, whatever. And I’ll see you next week!

Introdução

Então, eu estava procurando conteúdo para fazer um vídeo sobre a estética da “Dark Academia” na Cultura Pop e me deparei com O Gambito da Rainha… Agora – não vou mentir, a sinopse parece um pouco chata e só assisti por causa da Anya Taylor-Joy –, eu recomendo que você assista também, se ainda não o fez. Este vídeo não será sobre “Dark Academia”, como você pode perceber pelo título. Os vídeos-resenha de “Eu não sou como as outras garotas” eram muito populares no YouTube cerca de um ano atrás, então fiquei interessada em usar esse “recorte de análise” para falar do Gambito da Rainha.

Contextualizando

Então, só pra contextualizar, a série é inspirada no livro “O Gambito da Rainha”, de Walter Tevis, publicado em 1983. A história se passa no final dos anos 1950, eu acho, até o final dos anos 1960.

Elizabeth Harmon é a personagem principal, ela é órfã e bem comum, até jogar sua primeira partida de xadrez. Deste ponto em diante, a série evolui para uma história do tipo “coming-of-age” (amadurecimento), em que o espectador acompanha a Beth em seus piores momentos – como o vício em drogas e álcool – e, também, em seus melhores momentos – como quando ela se classifica como Grão-Mestre e se torna a campeã mundial de xadrez.

Então, eu gosto bastante desse tipo de história de anti-herói/coming-of-age, porque sinto que elas podem ser bem inspiradoras, especialmente quando você se identifica com a personagem principal. Mas elas também costumam vir com uma mensagem implícita "geral" que eu não concordo muito, e é sobre isso que eu quero falar neste vídeo.

Então, primeiro, quero dar algum crédito pra Beth, porque a mulher é ousada! Consciente da sua condição precária, ela quer crescer financeiramente e se tornar independente. A ideia de investir dinheiro e tempo para melhorar na vida é bastante presente na primeira parte da série, até que ela finalmente alcança a estabilidade financeira. Assim que ela começa a ganhar dinheiro, pede para sua mãe adotiva abrir uma conta bancária; ela compra livros ao invés de roupas, rouba algumas revistas de xadrez na lojinha do bairro e, mais tarde, resolve fazer aulas de russo. Ela... ela é tão legal! Ela é bem proativa, quer viver do bom e do melhor e se tornar a melhor jogadora de xadrez, e acaba se tornando a melhor.

Ensino médio

E essa diferença, desde o começo, ainda no orfanato, é colocada na perspectiva ela versus as “outras garotas”. Por exemplo, quando ela ganha uma boneca, recusa o presente e pede por outro jogo. Mais tarde, quando ela é adotada, deixa o orfanato pra sempre e começa a frequentar o ensino médio pela primeira vez, quase que imediatamente começa a ser chamada de cabeção/CDF pelas “outras garotas”, que agem e se vestem exatamente iguais. Ela não é vista como uma adolescente, a quedinha dela (o crush), Townes, gentilmente a chama de “garota”, e acho que isso diz bastante sobre como alguém define uma menina.

Assim que ela começa a ganhar dinheiro, e porque seu pai adotivo vai embora de vez, deixando a casa, ela se oferece para sustentar a Sra. Wheatley, dando 50% de tudo que ganha. Naquele momento ela percebe que a maioria das mulheres da série são representadas como dependentes, não muito inteligentes e não muito simpáticas. É só pensar na primeira entrevista que ela teve com uma jornalista, que demonstra pouca empatia por Beth. Beth sempre achou mais fácil se conectar com homens porque se identifica como enxadrista, e o xadrez é um esporte dominado por homens. Apenas um pequeno parêntese aqui, mas o xadrez é um esporte dominado por homens ainda hoje e, estatisticamente, homens jogam melhor que as mulheres, mas... como assim?

Bem, assim como em O Gambito da Rainha, as enxadristas geralmente são mais novas que os homens. Nós não sabemos se a Beth continua jogando para sempre, mas parece que, ainda hoje, a maioria das mulheres tendem a desistir do xadrez quando se tornam adultas. Um estudo sobre jovens jogadores de xadrez foi feito na Noruega e apontou que as meninas geralmente eram mais bem avaliadas do que os meninos. A razão pela qual elas desistem do xadrez poderia ser explicada através do preconceito de gênero, que existe em praticamente qualquer esporte ou jogo, mas também poderia ser explicada pelo fato de que, em algum ponto de suas vidas, não se espera que as mulheres compitam mais, e sim que cuidem dos outros.

Festa

Agora, veja o contraste entre a Beth e as “outras garotas” quando ela finalmente é convidada para uma festa organizada pela Margaret, a menina popular, e as outras meninas. Tudo que elas fazem é ouvir boy bands e falar sobre namorar e meninos e... ai, meu deus, isso é tão clichê. Eu estava, literalmente, assistindo e pensando “eu preciso fazer um vídeo sobre isso”. E, assim, claro, a Beth não se sente à vontade e acaba indo embora, porque “ela não é como as outras garotas” (risos). No final das contas, as duas amigas que ela faz são a Jolene, a garota negra que está para se tornar advogada, outra garota esperta e inconformista – aliás, não sei se ela se torna uma Pantera Negra, mas ela definitivamente se veste como uma, então ela é radical – e Cleo, a garota francesa – obviamente estou rindo porque eu sou francesa e a Cleo é o maior clichê de uma mulher francesa, mas provavelmente farei um vídeo sobre isso depois (fique ligado). E mesmo assim o envolvimento delas na vida da Beth é controverso, Jolene apresenta Beth às pílulas nas quais ela se vicia, no entanto, sem as quais ela não teria desenvolvido seu potencial tão rápido. Já com a Cleo fica ainda mais claro, ela tem um papel na derrota da Beth em seu duelo contra Borgov, em Paris. Então, no geral, as mulheres da série colocam a Beth para baixo, enquanto os homens a ajudam ao longo da vida e da carreira.

Agora quero passar para o que, para mim, é o maior momento da série, a transição da Beth de criança peculiar para uma mulher empoderada.

Glow up

Sim, sim, vem aí, o GLOW UP!

Mais uma vez, há aspectos positivos e negativos na fase pós-global. Um pequeno parêntese de [incompreensível] que eu amo a Anya Taylor-Joy e, nesse momento em particular, externamente, nada mudou, o ambiente continua o mesmo, mas a atitude dela e o jeito que ela descobre seu corpo e se apropria dele é simplesmente maravilhoso! Anya Taylor-Joy interpreta tão, tão bem! Então, nesses dois clipes em que o espectador a acompanha de um ângulo inferior enquanto ela sobe as escadas, quando ela tira o roupão e caminha de maiô até a piscina, há uma energia diferente, uma confiança no andar, algo quase sexual, na verdade, e, por extensão, quando você presta atenção no estilo pessoal, de agora em diante ela usa apenas calças e mini saias, e seu cabelo permanece curto. Ela brinca com as normas e incorpora o tom inconformista e feminista de ser. Ela está no controle da sua sexualidade e, até o fim da série, ela brinca mais e mais com a maquiagem e a moda. Aos poucos, ela passa a representar a ideia de que uma mulher pode ser inteligente e feminina. Acho que a hora da verdade é quando ela esbarra com a Margaret. Margaret agora está casada, com um bebê e continua a falar sobre meninos. Beth é confrontada com a ideia de como uma mulher de seu tempo deve se comportar, e ainda há resquícios disso em sua alma. No episódio 5, ela naturalmente se oferece para fazer a comida e se junta à Cleo na cozinha, e no episódio 6 ela quase se torna uma dona de casa. Possui uma casa, redecora tudo, cuida do jardim. Então, O Gambito da Rainha é mesmo uma série feminista? (Não.) Há uma forte oposição entre Beth e as outras personagens femininas, apresentadas como um grupo homogêneo. Enquanto a caracterização da Beth é bastante complexa, as outras mulheres da série são bastante superficiais e parecidas. Exceto Jolene, claro. Essa ideia de que a Beth é a exceção, seu excepcionalismo, sustenta o fato de que ela sempre foi diferente das outras garotas, algo que deixa os homens interessados em ajudá-la e, eventualmente, a orientá-la. Desde o início, com o Sr. Shaibel, até o jogo final contra Borgov, em que Beltik, Benny e os gêmeos criam, juntos, a estratégia da vitória. A urgência do homem na série é enorme, e eu acho que reflete o fato de que o romance foi escrito por um homem e que a série foi dirigida por dois homens bem velhos, Allan Scott e Scott Frank.

Então eu não posso... com certeza existe uma leitura feminista da série, mas não acho que seja a mais relevante. O Gambito da Rainha não foi feito para ser político, a Elizabeth é bem apolítica. Sei que alguns vão argumentar que a personagem Elizabeth é uma feminista, mas eu não concordo muito com isso. Para mim, sua história e seu personagem foram usados para defender algo completamente diferente, os conceitos de livre arbítrio e urgência. Elizabeth foi o sonho de muitas mulheres dos anos 1960, ser notada, respeitada e considerada inteligente pelos homens. Mas apesar de ser órfã, Beth era talentosa, ela tinha um talento que a tornava única. Então, só para deixar claro, eu não quero minar todo o trabalho e os esforços que a Beth fez para chegar aonde chegou, mas ela tinha que conquistar o respeito dos homens e, depois que conseguiu, tudo ficou mais fácil. E eu não gosto do fato de que, quando se é uma mulher, quando se é parte de uma minoria, uma minoria étnica, ou uma minoria de gênero, você tem que se provar para ganhar o respeito dos outros. E aqueles que não são talentosos ou privilegiados... bem, é meio que culpa deles não alcançar o sucesso, sabe. Sim, a anedota é o problema e a história de sucesso não pode ser universalizada.

O Gambito da Rainha é um exemplo da trupe “eu não sou como as outras garotas” que pode ser vista praticamente em todo lugar, em toda mídia, filmes, livros, séries, memes. Retrata meninas e mulheres de um modo muito, muito estereotipado. Geralmente são mulheres jovens, heterossexuais e brancas que gostam de maquiagem, moda, namorar, amam falar sobre meninos, gastam horas se preparando pra sair, e... o que mais... ah, sim, elas não conseguem controlar as emoções, são as verdadeiras rainhas do drama! E, assim, obviamente, toda menina quer ser diferente dessas “outras garotas”. Existem um milhão de maneiras de ser mulher, e apenas obedecer a características estereotipadas não faz de você uma. O conceito de “outras garotas” tende a fazer as mulheres competirem, em vez de apenas abraçarem a diversidade do que é ser mulher.

Opa, tinha muito para ser dito. Espero que tenha gostado da série tanto quanto eu gostei. Há diversas formas de abordar o assunto e eu queria manter o vídeo curto e focado. Mas fique à vontade para adicionar qualquer comentário na seção de comentários, conselhos, dicas, novas ideias e se não concordar também. Muito obrigada por assistir! Eu ficaria extremamente grata se você se inscrevesse no canal, curtisse o vídeo ou apenas compartilhasse com um amigo que possa se interessar e, até mesmo, sei lá, seus pais, gatos, plantas, o que for. Vejo você semana que vem!

bottom of page